domingo, 7 de novembro de 2010

DE PEITO ABERTO


“Que, finalmente, o outro entenda que mesmo se às vezes me esforço, não sou, nem devo ser, a mulher-maravilha, mas apenas uma pessoa: vulnerável e forte, incapaz e gloriosa, assustada e audaciosa – uma mulher”.

Lia Luft

Nenhum comentário:

Postar um comentário