domingo, 22 de agosto de 2010

O Pai´s dos tristes.


Ah, quando a dor se for restará
Mais do que alma cedeu
Mais do que o mar nunca jamais concebeu
Tudo o que não voltará, nasceu
E a nossa alegria andará
Onde o suor escorreu à deriva
Acende o olhar no breu
Tudo o que não voltará, nasceu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário